Reação Esportes | Da série: Doenças Cardíacas na Terceira Idade
16408
post-template-default,single,single-post,postid-16408,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.3,vc_responsive

Da série: Doenças Cardíacas na Terceira Idade

Da série: Doenças Cardíacas na Terceira Idade

A partir deste mês, o blog da Reação Esportes vai publicar uma série de textos explicativos bem úteis para você sobre as doenças relacionadas ao coração na terceira idade. A nossa ideia é transmitir informações sobre as enfermidades cardíacas e seus sintomas, mas principalmente, fornecer orientações de prevenção.

Em nosso primeiro assunto da série, vamos abordar a insuficiência cardíaca. Antes, é válido esclarecer sobre o que são as doenças cardíacas. Segundo explicação do educador físico da equipe da Reação, Robson Cabral, elas constituem todas as alterações patológicas que afetam o coração e os vasos sanguíneos, e são muito frequentes em pessoas na terceira idade.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), terceira idade é a fase da vida que começa aos 60 anos nos países em desenvolvimento, como o Brasil, e aos 65 anos nos países desenvolvidos.

Entre as doenças cardíacas mais conhecidas, o educador da Reação destaca a Insuficiência Cardíaca, Hipertensão Arterial, Colesterol Elevado e Acidente Vascular Cerebral (AVC).

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

“A insuficiência cardíaca é uma condição na qual o coração não consegue bombear sangue suficiente para todos os locais do corpo”, esclarece Cabral. Ou seja, na explicação do profissional, quando uma pessoa sofre uma insuficiência cardíaca, isso não é sinal de que o seu coração parou ou está prestes a deixar de funcionar, mas sim que não consegue bombear o sangue de maneira eficaz, como deve ser.

Desta forma, o enfraquecimento da capacidade de bombeamento do coração provoca armazenamento de sangue e líquidos nos pulmões, acúmulo de líquidos nos pés, tornozelos e pernas (inchaço das regiões), cansaço e falta de ar.

Ainda de acordo com o professor Cabral, geralmente, a insuficiência cardíaca se desenvolve gradativamente após uma lesão no coração. “Algumas lesões podem incluir um ataque cardíaco, ou muito esforço para o coração em razão de anos de pressão arterial alta não tratada, estímulo físico exagerado depois de um longo período de sedentarismo ou ainda uma válvula cardíaca doente, pelo histórico familiar e genética”, esclarece.

Além dessas causas mais comuns, a insuficiência cardíaca também pode ser causada por uma endocardite (inflamação do músculo cardíaco), miocardite (infecção no coração) ou ainda diabetes. “Os sintomas nem sempre são óbvios”, aponta Cabral. Algumas pessoas podem não apresentar nenhum sintoma nos primeiros estágios, por exemplo, enquanto outras podem manifestar fadiga ou falta de ar e sinais de envelhecimento.

Entretanto, de maneira geral, em razão da incapacidade de o coração bombear o sangue eficientemente para suprir as demandas de funcionalidade dos órgãos, como rins e o cérebro, os sintomas podem aparecer com tudo. São eles:

– Falta de ar;

– Inchaço nos pés e pernas;

– Falta de energia e cansaço;

– Dificuldade de dormir devido a problemas respiratórios;

– Abdômen inchado ou mole;

– Perda de apetite;

– Tosse com muco “espumante” ou catarro;

– Aumento da micção a noite;

– Confusão mental;

– Memória fraca;

PREVENÇÃO

Segundo Cabral, algumas pessoas estão mais sujeitas do que outras a desenvolverem a insuficiência cardíaca. Ninguém pode prever com certeza quem irá desenvolvê-la, mas existem fatores de riscos conhecidos.

Estar ciente dos fatores de risco e ir ao médico regularmente para acompanhamento são boas estratégias para preveni-la. “Além disso, manter exercícios físicos regulares e orientados por um bom educador físico vão auxiliar a diminuir ou até evitar que você desenvolva a insuficiência cardíaca”, argumenta.

Na Reação, temos profissionais qualificados capazes de atender o público da melhor idade com programas específicos de atividades físicas para elevar a autoestima e melhorar as condições de saúde física, intelectual e integração.

Seja bem-vindo (a)!